TÍTULO:     
A TENTAÇÃO DO GANHO FÁCIL

TEXTO: II Reis 5:20-27
ICT (Idéia Central do Texto):  O texto apresenta um típico exemplo de alguém, Geazi, sevo do profeta Eliseu, que deixou-se dominar pela ganância e das consequências disto.
O.G.:  Devocional
O.E.:   Alertar os ouvintes acerca do pecado da ganância e de suas consequências para a vida cristã.
TESE: O ganho fácil constitui-se numa tentação comumente enfrentada pelos crentes e pode acarretar terríveis prejuízos espirituais para os descuidados.
F.S.: Textual

INTRODUÇÃO:
            Como crentes em Jesus temos que conviver com tentações.  Tentações são desejos, inclinações da nossa carne, que procedem de nossa natureza humana pecadora, que tentam nos levar a desobedecer as ordens do Criador.  Neste texto Deus nos alerta para uma das perigosas tentações a que estamos expostos.
            Geazí, o servo do profeta Eliseu, acreditou que poderia facilmente lucrar, desde que corresse até Naamã, o general Sírio que acabara de ser miraculosamente curado da lepra.  Munido de uma boa e comovente história, pensando estar longe da vigilância do profeta, o servo Geazi partir a encontrar a comitiva síria a caminho de volta para Damasco.  Ele não tencionava obter toda a prata, ouro e vestidos que o general trouxera na intenção de presentear o profeta;  somente um pouco de prata e duas vestes.
           
A consequência terrível que esta atitude de Geazi trouxe para si nos serve de alerta contra esta tentação a que estamos sujeitos:  a tentação do ganho fácil.  Cuidemos para não cometer os seguintes equívocos:

1º) Pensar que “ter” é o mais importante (v. 20)
            Freqüentemente estamos sujeitos a pensar como Geazi, que o mais importante é termos a prata e as vestes, do que sermos “irrepreensíveis e sinceros”(Fp 2:15).  O Senhor Jesus lidou com esta tentação quando o Diabo o levou ao alto de um monte e, mostrando-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles, disse-lhe:  “Tudo isto te darei, se, prostrado, me adorares.” (Mt 4:8 e 9).  A resposta de Jesus foi que somente a Deus devemos adorar e só a Ele servir.  Não importa o prejuízo financeiro ou material que isto traga, primeiro devemos buscar o Reino de Deus e a Sua Justiça! (Mt 6:33).

            O servo Geazi não seguiu o exemplo de seu senhor.  Corrompeu-se por causa de um pouco de prata e algumas roupas novas.  Que tristeza quando um servo de Jesus abandona seu posto, sua Igreja, seu compromisso com a Obra de Deus e parte para conquistar coisas de tão menor importância, sem a bênção de Deus. 

             Como Geazi, muitos nem se apercebem que estão incorrendo numa falta gravíssima quando ao pecar, comprometem o nome do Senhor!

2º) Comprometendo o nome do Senhor  (v. 26)
            Ao voltar de sua abordagem a Naamã, Geazi deparou-se com seu senhor.  Este lhe perguntou de pronto:  “Porventura não foi contigo o meu coração...?  Era isto ocasião para receberes prata e roupa...?” Geazi usara o nome de seu senhor para ludibriar a Naamã.  De igual modo o crente tem um Senhor, Jesus Cristo e, toda vez que cai em tentação, está comprometendo o nome do seu Senhor!  Por isso Jesus disse:  “Ai do homem por quem o escândalo vier...” (Mt 18:7).

            É assim que surgem os maus testemunhos, os escândalos.  Ao invés de o Nome do Senhor ser glorificado, quando se cai na tentação do ganho fácil, o Nome do Senhor acaba por ser blasfemado!  A mentira, o ludíbrio, o “jeitinho”, a desonestidade e todo ganho que podem oferecer trazem um prejuízo inestimável à pregação do Evangelho.  Quanta lástima quando um filho de Deus decide utilizar os recursos característicos dos filhos do Diabo! (Jo 8:44).

            O servo Geazi caiu na tentação do ganho fácil e não mediu as conseqüências de haver utilizado indevidamente o nome do seu senhor.  Não pensara que seu erro traria sérias conseqüências para sua vida.

3º)  As terríveis conseqüências do cair na tentação do ganho fácil (v. 27)
            Geazi herdou a lepra de Naamã.  O texto bíblico afirma que ele ficou “branco como a neve”.  Pior, afirma que sua descendência, sua família, também foi afetada pelo seu pecado.  Este é o resultado de se abandonar os preceitos de Deus, agindo como um “filho de belial”.  O apóstolo Paulo escreveu sobre o “amor ao dinheiro” e afirmou que ele é “a raiz de todos os males;  e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores” (I Tm 6:10). 

            O livro de Eclesiastes também alerta para os malefícios causados pelo “amor às riquezas”, afirmando que a pessoa que sofre deste mal nunca se fartará e, além de outros desconfortos, será desprovido do “sono do trabalhador” (Ec 5:10-12).  São grandes os prejuízos para o crente que se deixa levar por esta tentação.  Me chama a atenção este do verso 12 de Eclesiastes, onde afirma que “a saciedade do rico não o deixa dormir”.

CONCLUSÃO:
            Cuide-se!  Você, certamente, tem sido tentado à semelhança de Geazí.  Resista, caso contrário, cairá (I Co 10:12).  Deus mesmo está pronto a lhe dar forças para auxiliá-lo a resistir.  Reconheça que não vale a pena alcançar qualquer valor sem a aprovação do Senhor das nossas vidas.  Resista como Jesus resistiu:  recuse-se a aceitar qualquer coisa que seja empecilho para sua vida de adoração a Deus.

APELO:
            Neste instante vamos orar.  Se você tem incorrido no mesmo erro de Geazi, hoje é tempo de retroceder.  Deus quer resgatá-lo.  Reconheça seu pecado e busque o perdão de Deus agora mesmo.  Não queira colher as conseqüências de uma vida longe da presença do Senhor.

 

Paulo Rogério Petrizi